quinta-feira, novembro 03, 2005

La muñeca brava

Vivo dentro de uma novela mexicana com dobragem sem sincronia. Sou do lado dos pobres mas bons e começo a ficar farto desta merda. Estou farto de dizer que isto podia ser mais simples se as pessoas fossem mais simples. Mas não são. E tanta confusão começa a dar-me cabo da cabeça e da paciência. Há os que eram os maiores e que são afinal uns filhos da puta, há os bons que afinal não são assim tão bons, os maus que serão sempre maus e os maus que afinal não são tão maus como os pintam. Há ainda personagens secundárias que passam despercebidas sem que lhes descubram as falhas, os que se aguentam como podem, os encornados, os traídos, os sentimentais bacocos e os que pura e simplesmente nem deviam fazer parte do enredo. Há os revoltados silenciosos que passam os dias a dizer qualquer dia lhes salta a tampa mas que o argumentista já deixou provado que nunca acontecerá. E depois há os outros todos que em círculos mais ou menos certinhos deambulam e gravitam por aí. Que história merdosa esta que vivo todos os dias.

3 comentários:

NG disse...

Que asneirento, pá! Estás a reciclar a tua fase CQTF? Olha que tens uma filha para educar, pá!

Elora disse...

Não me digas que não há dias melhores...

Gaguinho disse...

há dias...
na maioria canto para mim a música do sérgio godinho: "cá se vai andando com a cabeça entre as orelhas"
há dias amiga...