domingo, março 18, 2007

Isto vai


À média de um post por mês, temo pela saúde deste bloco de notas.
A verdade é que o tempo, ora não permite, ora não ajuda, ora não me inspira, ora é hora de ir para a cama.
A verdade é que tenho os minutos quase contados.
Tenho um filho novo que precisa de mimos e carinhos e mais coisas que os filhos novos precisam. E que muito disso dá a mãe enquanto eu me encarrego da pim. E tudo isto dá muito trabalho, muito prazer e muito de nós. Nunca como agora – que se juntou no mesmo prazo tudo o que havia de se juntar – me senti tão precisado de me concentrar, de me focar, de me organizar. Nunca como agora precisei de mim mais afinado. E tenho-o feito. À custa de pequenas coisa, como escrever aqui.
Mas não desisto e não me esqueço.
Navego menos, deambulo menos. Distraio-me menos. Ainda não sei se me faz bem mas tenho que o fazer.
Tenho que. Tenho que.
E depois há as ideias – que até essas se começaram a focar. As ideias disto e daquilo que agora vêm mais para isto e muito menos para aquilo. Agora é para aqui e parece que de repente se fecharam as torneiras todas de uma vez. Agora abro uma. E fecho. Abro outra, e fecho.
Sinto que dantes se abriam todas de uma só vez. Coisas em catadupa que me enchiam a cabeça e me faziam voar por imagens e sons e palavras e pessoas e caras e corpos e pormenores de um dia. Objectos que se abriam donde saiam mais objectos e mais coisas e outras coisas. E bastava o som do comboio a passar para me levar lá dentro com toda a gente que lá vai – de quem não sei nada mas imaginava saber.
Continuo atento e observo. Surpreendo-me ainda. Viajo ainda. É só tempo de aprender a viver com isto.

5 comentários:

rasteirinha disse...

meu querido, não é nada fácil teres de te concentrar em tanta coisa ao mesmo tempo, principalmente quando o teu foco de concentração devia estar viradi apenas para um lado.. mas tu consegues porque se alguém consegue és tu e eu acredito em ti.. beijo muito grande.

DIV de divertida disse...

E com a terioa do um dia de cada vez, regressas com calma à organização da vida real e imaginária.
serenidade é o q te desejo.

Lígia disse...

ai a vida dos pais com um filhote novo... tao pequenino, tao dependente, mas tao sedento de amor

Aos poucos vais voltar ao quotidiano chato e depois vais quere voltar a este dia

a mãe da homónima disse...

Que tal a surpresa da trancinha? Fez sucesso? A homónima estava excitadíssima com a ideia de que todas as amigas íam ter um "tereré" como o dela...

Gaguinho disse...

grande supresa... mas muito engraçada. assim que cheguei para a ir buscar veio logo mostrar: "olha o tereré, pai" e eu...
"olha o quê, filha?"
puro desconhecimento da estética capilar :-)